image

Maquiagem, uma das famílias dos cosméticos. Também chamada de maquilagem

Surgiu no período paleolítico quando o homem começa se reunir em grupos  e com isso o sedentarismo e os primeiros sinais de vaidade. Para mostrar uma diferença hierárquica entre os grupos, os chefes se enfeitavam com garras e dentes de animais ferozes. Já os curandeiros ditos feiticeiros adornavam o corpo com pinturas consideradas mágicas.

Na Mesopotâmia surgem as primeiras maquiagens a base de carvão, henna e outros resíduos naturais para os olhos.

 

No Egito a maquiagem torna se ritual diário de higiene e beleza. Também no antigo Egito vamos encontrar os primeiros testemunhos de uso de maquiagem cosmética. A mistura de metais pesados dava o tom esverdeado para embelezar e proteger as pálpebras dos nobres. Curiosamente hoje os metais pesados que podem aparecer nos pigmentos são proibidos e motivo de movimentos na internet com a preocupação : “cuidado o batom  tal contém chumbo e provoca câncer”. Quero acreditar que naquele tempo muitas mulheres morreram de câncer por usar essas maquiagens a base de metal pesado.

Cleópatra, carismática e poderosa imortalizou seu ritual de beleza tomando banho de leite de cabra e cobrindo a face com argila e khol, um ingrediente obtido pelos árabes a partir de uma poeira preta.

Já em Roma as mulheres usavam máscara de farinha, miolo de pão e leite no rosto durante a noite para clarear a pele e tornarem se mais belas.

Aproximadamente no ano 150 A.C. o físico Galeno criou o primeiro creme facial do mundo adicionando água à cera de abelha e azeite de oliva, emulsionando com bórax. Dióxido de titânio e óxidos de ferro foram acrescentado nessa emulsão nascendo então a primeira base facial cremosa colorida.

 

Coloco aqui três curiosidades: o primeiro cosmético foi desenvolvido por um físico e não por um químico, a famosa base para o rosto super usada hoje foi uma das primeiras maquiagens efetivamente criada pelo homem. A conhecida emulsão bórax e cera de abelha usada até hoje é realmente muito antiga.

 

 O hábito de pintar os lábios surgiu no século XVII, sendo que nos 100 anos seguintes Paris firmou se como autoridade em moda trazendo para o mundo da maquiagem um novo alento.

Podemos dizer que a popularização da moda aconteceu em 1892 com o lançamento da revista Vogue.

Chegando à década de 70 as cores de maquiagens tornaram se populares seguindo as coleções da alta costura francesa, italiana e inglesa.

As formulas evoluídas para cosméticos pigmentados entram em cena no final da década de 80, sendo que na década de 90 surgem as maquiagens que entregava também outros benefícios como proteção solar, hidratação e anti aging.

 

Hoje as maquiagens são bem tecnológicas, sendo os BB, CC e DD creans exemplo até exagerado de muitos clains num só produto. 

O próprio batom  nasceu apenas para colorir os lábios, hoje além de colorir confere proteção, hidratação, anti aging, aumento dos lábios.

Deixando a história e voltando para a família das maquiagens podemos dividir essa categoria de produtos em algumas subcategorias: maquiagem sólida, que são os batons, brilhos e blushes em stick, lápis para olhos, sobrancelhas e boca. 

 

Maquiagem liquida, semi sólida ou emulsionada que são as bases, corretivos, cc cream e suas derivações, máscara para olhos, delineador, duo cakes e o mais recente lip tint. Uma curiosidade em relação às máscaras para olhos diz respeito a variedade de escovinhas para a aplicação do produto. Existem mais de 200 diferentes tipos e terminações dessas escovinhas cada uma confere um tipo de efeito a sobrancelha e cílios como volume, alongamento, etc. Algumas empresas usam o mesmo produto com diferentes clains obtidos somente com a escovinha de aplicação. 

Os pós compactados ou soltos como sombra, blush, pó facial, pan cake, iluminadores.

 

Quando falamos em maquiagens não podemos esquecer um coadjuvante importante que são os demaquilantes nas suas diversas versões. Destacar os bi fásicos e tri fásicos que nada mais é do que produtos com densidades diferentes que fazem com que a fase mais pesada normalmente a água fique na parte de baixo e as fases mais leves na parte de cima. Na verdade o que chama a atenção é a beleza das fases coloridas separadas que, para o uso precisa agitar, misturando com isso essas fases que depois em repouso voltam a separar. As diferentes cores das fases são obtidas pela solubilidade dos corantes em cada uma das fases e a insolubilidade em outras fases.

 

Diferente das outras famílias cosméticas, as maquiagens são mais complicadas para fabricar. Um baton, por exemplo, precisa de 3 etapas de fabricação: mistura, moldagem e montagem. Da mesma forma os pós compactados que passa pela mistura, compactação e depois também a montagem na embalagem.

Para complicar um pouco mais, a maior dificuldade das maquiagens além da própria fabricação, chama se acerto de cor que passa pela carência de profissionais com experiência na fabricação e a mega carência de profissionais coloristas, considerando que, para fazer o acerto de cor lote a lote de acordo com o padrão, é preciso conhecimento da ação dos diversos pigmentos da fórmula e muita experiência para efetivamente acertar a cor do produto. Isso se justifica porque não existem cursos específicos que formem esse profissionais e equipamentos  específicos com baixo preço e  tecnologia para fazer o acerto de cor, ficando então  essa missão para o olhar aguçado do colorista.

 

A complexidade para fabricar, a carência de profissionais com experiência aliado ao custo dos diversos equipamentos envolvidos no processo, explica a pouca quantidade de empresas que fabricam maquiagem. Lembrando que quando uma marca decide fabricar maquiagens ela precisa ter dezenas de cores em cada família além dos complicados provadores para cada cor nos pontos de venda.

Isso também explica a grande carência de terceiristas que fabricam maquiagem. Muitas marcas querem lançar linha de maquiagem mas não o fazem porque não encontra quem fabrique. Os poucos terceiristas que se propõe fabricar maquiagem estão com suas máquinas totalmente ocupadas e sem programação para novos pedidos. As grandes marcas que tem maquiagem no seu portfólio na verdade terceirizam boa parte do que vendem, isso também explica a sobrecarga nos escassos grandes terceiristas de maquiagem.

 

A maquiagem foi uma das famílias mais afetadas pela pandemia, considerando que o canal varejo onde se concentra boa parte das perfumarias e lojas de departamento que vende maquiagem, além do canal franquia, que tiveram suas lojas fechadas por um longo período. Restou o canal muti nível que quase não tem empresa de maquiagem, o canal e-comerce com toda sua dificuldade para comprar uma maquiagem sem poder provar a cor, o porta a porta que embora com poucas empresas, concentrou suas vendas nas duas gigantes desse canal. 

 

Mesmo com todas as dificuldades colocadas acima, a maquiagem é uma das famílias cosméticas que mais cresce e tem sido a salvação da lavoura das empresas que a tem em seu portfólio.

O Brasil é o quarto país do mundo em consumo de cosméticos e o quinto em consumo de maquiagem. Além das consumidoras que não param de comprar, vemos um crescente uso desses produtos pelo publico masculino 

 

Também diferente das outras famílias cosméticas, quem fabrica maquiagem, precisa lançar pelo menos duas novas coleções de cores por ano. A chamada coleção primavera /verão com cores mais leves e claras pra combinar com essas estações e outono/ inverno onde as cores são mais escuras e pesadas, também pra combinar com essas estações.

O que percebemos é o surgimento de novos produtos nessa família que vem desbancando tradicionais e eternos produtos que até então eram os queridinhos das consumidoras. Estamos falando por exemplo do lip tint usado pelas consumidoras mais jovens no lugar do blush e até mesmo pra colorir levemente os lábios. A grande mudança, no entanto fica por conta da substituição do baton em bala pelo baton líquido. Nunca se vendeu tanto baton líquido. 

 

Ressaltar, no entanto que maquiagem é cor é moda e da mesma forma que o baton líquido veio ele acaba indo e dando lugar novamente para o queridinho em bala.

Ainda falando de baton,  as famosas marcas européias e americanas normalmente tem aplicação mais suave e “descarrega” mais nos lábios. Na verdade isso se deve ao baixo ponto de fusão dessas marcas, comparado com um baton de marca brasileira. As marcas importadas tem ponto de fusão em torno de 60 graus Celsius, especifico para as temperaturas mais baixas daqueles países. No Brasil o ponto de fusão fica em torno dos 67 graus ,o que o deixa um pouco mais duro em relação ao importado, obviamente feito para a nossa temperatura tropical.

 

Não da pra falar de maquiagem sem citar a maior dificuldade brasileira dessa família. Estou falando das embalagens. Temos no Brasil excelentes produtos, porém com poucas opções de embalagens e com qualidade inferior se comparada a outros países. As grandes marcas brasileiras importam e, na sua grande maioria da China.

A razão dessa carência nas embalagens de maquiagem se deve ao processo de fabricação, conhecido como injeção onde o molde para se obter essa embalagem tem um custo muito alto se comparado a um frasco ou pote, fabricado pelo processo de sopro e com molde muito mais em conta.

 

Outro fator que colabora para essa carência de boas embalagens brasileiras de maquiagem é o numero de componentes dessas embalagens. Enquanto num frasco fabricado pelo processo de sopro usa apenas um molde, uma embalagem de baton fabricado pelo processo de injeção é composto por varias peças tais como base, tampa, mecanismo, elevador, anel, etc. Cada componente necessita de um molde que tem custo bem elevado se comparado com o molde de um frasco.

 

Com isso poucas empresas brasileiras se propõe fabricar estojos de baton, pó compacto, sombra, blush, máscara, as chamadas peças injetadas com seus diversos sub componentes.

Com relação ás matérias primas das maquiagens uma se destaca também pela dificuldade, pois são importadas e com poucas opções de fornecedores no Brasil que representa os fabricantes. Estou falando dos pigmentos que confere cor a todas as maquiagens.

Para os pós e bases os óxidos de ferro vermelho, amarelo e preto alem do dióxido de titânio, são utilizados. Para os batons, os pigmentos orgânicos além do próprio dióxido de titânio usado para dar fundo nesses produtos.

 

Para conferir brilho/cintilância nos batons e pós são usadas as chamadas pérolas. Algumas com efeito de duocromia, que muda de cor dependendo do lado que se observa a cor do produto aplicada na pele.

Podíamos ficar aqui falando horas e horas de maquiagem, escrevendo páginas e mais páginas, obviamente que isso não aprendí em livros ou no banco da escola, mas fruto dos meus mais de 40 anos vividos na indústria desde amostrador de matérias primas no meu inicio de carreira  na Avon, passando por gerencia de produção na Natura até a diretoria industrial na Payot.

Maquiagem, sinônimo de beleza, sedução, auto-estima, com toda sua dificuldade dentro da indústria continua encantando consumidoras e desafiando quem se propõe fabricar.