image

SONO E MELASMA

Estava “caçando” e estudando publicações científicas e me deparei com letter publicada no The Journal of Clinical and Aesthetic Dermatology que me fez pensar e vai fazer vocês refletirem também. A possível correlação entre melasma e qualidade de sono.

Destaco aqui que a palavra “possível” significa que não existe uma evidência concreta, mas confesso que os autores me deixaram pensativo.


Causa Multifatorial


Por se tratar de uma disfunção que pode ter várias causas, a etiologia permanece não explicada, mas sabemos que fatores como hereditariedade, fatores ambientais como radiação UV, poluição e influência hormonal podem estar ligadas ao melasma.

O aumento da vascularização e mediadores inflamatórios também já foram identificados como fatores que exacerbam as manchas.


Qualidade do sono


Estudos mostram que com certeza o melasma impacta na qualidade de vida das pessoas, sendo assim, pode impactar a qualidade do sono e aí começam as especulações. Essa privação de sono teria um impacto negativo no melasma?

Estudos mostram que a qualidade do sono certamente está relacionada como fatores inflamatórios, alterações hormonais, alteração da circulação sanguínea. A privação do sono pode levar a alteração na barreira da pele e alteração da homeostase cutânea.

E se a privação alterar os níveis do hormônio melano-estimulante (Alfa-MSH)?

E se a privação do sono levar a processos inflamatórios e alterações na vascularização e consequente piora no quadro do melasma?


Pergunte ao seu paciente


Essa publicação termina sugerindo que um levantamento sobre essa possível relação seria interessante e concordo plenamente.

Fica a dica para todos os que tratam pacientes com essa disfunção comecem a avaliar na anamnese a relação da qualidade do sono e a progressão das manchas.


Abraços

Lucas Portilho